Product ID: 59
Product SKU: 59
New In stock />
Fotografia e natureza como um rito do efêmero: Antotipia e Fitotipia

Fotografia e natureza como um rito do efêmero: Antotipia e Fitotipia

Destaque

Modalidade 100% ONLINE, AO VIVO

 

O curso parte de estudos que refletem sobre o caráter subjetivo das plantas e as suas formas de comunicação, solidariedade e memória. Investigaremos os trabalhos de artistas que utilizam impressões sobre gramas, folhas, condimentos e flores para pensar questões como o luto, maternidade, sonho e memória. 
A fotografia que aparece e desaparece com o sol.

 

O que será abordado

Artistas que utilizam impressões nestes suportes
Na prática: como produzir este tipo de impressão

 

Para quem esta oficina é destinada?

Fotógrafos, artistas visuais ou qualquer pessoa interessada em usar a técnica
 

Data

16/12, Sábado, das 10h às 16h (2h de intervalo - 12h às 14h)

 

Atenção

Ao fazer sua inscrição, informe a data escolhida na tela de pagamento (PagSeguro), ítem "Resumo do Pedido", campo "Observações". Caso opte por PIX, informe pelo WhatsApp, junto ao comprovante.

Exemplo:

 

Investimento

em até 4x sem juros no cartão
4x 39,35 (via PagSeguro)

10% de desconto à vista, via PIX - Fale conosco pelo Whatsapp


 

Importante

• O valor integral só será devolvido nas desistências com um mês de antecedência da data de início e 50% com 20 dias de antecedência.
• Coloque o nosso email vivarua@vivarua.com.br como confiável, para nossos comunicados não irem para a pasta de spam.
• Sempre criamos um grupo temporário no WhatsApp para Network.

 

Sobre Li Vasc

Li Vasc. (1983) é artista visual e Mestre em Literatura e Interculturalidade pelo PPGLI(UEPB). Considera que toda palavra é imagem. Passou a captá-las das ruas, criando uma espécie de letreiro/poema. Para a artista, toda obra inicia na palavra, nos rascunhos e nos gestos, mas é na fotografia onde investiga um espaço artesanal de criação. Atualmente utiliza as raízes das plantas que curam abortos e inflamações vaginais como metáfora de cura para as mulheres que vivem em relacionamentos abusivos. Como deriva dessas experimentações, produz garrafadas com raízes e cascas, cujos rótulos recebem poemas oriundos dos relatos das violências de gêneros e abusos sofridos pelas mulheres da sua história de vida.As técnicas fotográficas que tem como base o uso da botânica a exemplo da cianotipia ( impressão de ferrocianeto com a luz do sol na cor azul) e fitotipia ( impressão fotográfica diretamente na folha das plantas por processo de desbotamento da clorofila e luz solar), convergem com o tema caro da artista, o uso das plantas medicinais como uma forma de curar o passado.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.