ARTISTAS E PROFISSIONAIS PROTAGONISTAS

Adriana Zehbrauskas

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Adriana Zehbrauskas
é uma premiada fotógrafa documental brasileira que mora em Phoenix, Arizona. Seu trabalho é amplamente focado em questões relacionadas à migração, religião, direitos humanos, comunidades sub-representadas e a violência resultante do tráfico de drogas no México, América Central e do Sul. Contribui regularmente com o The New York Times, UNICEF, The New Yorker e BuzzFeed News, entre outros.
Adriana é uma das três fotógrafas descritas no documentário “Beyond Assignment” (EUA, 2011, produzido pelo The Knight Center for International Media e pela University of Miami. Ela recebeu o primeiro prêmio Getty Images Instagram Grant e foi premiada como Melhor Fotojornalista Feminina Troféu Mulher Imprensa (Brasil). Seu trabalho de fotografia móvel foi selecionado pela Time Magazine para os “29 Instagram’s que definiram o Mundo em 2014 ″ e seu projeto Fé no Brasil e México recebeu o Art & Worship World Prize do Niavaran Artistic Creation Foundation.
Também recebeu o prêmio New York Press Club em Feature-Science Medicine and Technology na categoria Newspaper pelo artigo “Legado do Zika: Consequências catastróficas de uma crise contínua” (NY-2018), um POY International (2019 ). Foi finalista do Prêmio Gabo (2018) e recebeu duas Menções Honrosas no Prêmio Julia Margaret Cameron (2018).
Instrutora do International Center of Photography (ICP-NY), da World Press Photo Foundation e da Fundación Gabo de Gabriel García Márquez, do Foundry Photojournalism Workshop e atua como membro do júri para dezenas de bolsas e prêmios em todo o mundo. Embaixadora Laica.

Alessandra Meleiro

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Pós-doutorado junto à University of London (Media and Film Studies), Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/USP e Mestre em Multimeios pelo Instituto de Artes/ UNICAMP. Autora do livro “O Novo Cinema Iraniano: uma opção pela intervenção social” e organizadora das coleções “Cinema no mundo: indústria, política e mercado”, com cinco volumes (África, América Latina, Europa, Ásia e Estados Unidos) e “A Indústria Cinematográfica e Audiovisual Brasileira”, que conta com seis volumes (“Cinema e Políticas de Estado”, “Cinema e Economia Política” e “Cinema e Mercado”, dentre outros). Professora do Bacharelado e Pós-Graduação em Imagem e Som da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). Presidente do Instituto Iniciativa Cultural, Membro do Trade and Development Board da United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD), na área de Economia Criativa. Presidente do FORCINE (Fórum Brasileiro de Ensino de Cinema e Audiovisual), Membro do Comitê Consultivo da SPCine, empresa pública de cinema vinculada à prefeitura e ao governo do Estado de São Paulo, e Mentora do ICAB (Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros, vinculado à Brasil Audiovisual Independente – BRAVI). Atuou como Guest Professor na Aarhus University/ Dinamarca, em 2016. Atuou como Consultora do Netflix no Brasil, em 2018, para ações de capacitação das equipes das séries Originals e, em 2019, como Consultora da JLeiva para o 1º. Mapeamento da Animação no Brasil.
Foi Diretora de Projetos do Centro Cultural São Paulo e curadora de instituições como SESC SP e Centro Cultural Banco do Brasil. Apresentou o boletim de rádio “Cultura e Criação”, veiculado na Rádio Eldorado e colabora com o Caderno Ilustrada do jornal Folha de São Paulo, jornal Valor Econômico e revista Carta Capital.

Alexandre Sequeira

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Alexandre Romariz Sequeira
,1961. Belém-Pa. Artista visual e fotógrafo, é Doutor em Arte pela UFMG e professor do Instituto de Ciências da Arte da UFPa. Desenvolve trabalhos que estabelecem relações entre fotografia e alteridade social, e participou de Encontros de Fotografia, Seminários e Exposições no Brasil e exterior, como “Une certaine amazonie” em Paris/França; Bienal Internacional de Fotografia de Liège/Bélgica; Exposição no Centro Cultural Engramme em Quebec/Canadá; X Bienal de Havana/Cuba; Paraty em Foco 2009; FotoFestPoa 2010 e 2011; Festival de Fotografia de Recife 2010; Simpósio e exposição “Brush with Light”, na Universidade de Arte Mídia e Design de NewPort no Reino Unido, Festival Internacional de Fotografia de Pingyao/China, exposição “Gigante pela própria natureza” em Valência na Espanha; “Contemporary Brazilian Printing” em New York/EUA; PhotoGoa 2018/India; Taipei Photo 2018 e Latin American Photography/ Taiwan; Terra Brasilis: les photographes contemporains brésiliens/França; “Segue-se ver o que quisesse” no Palácio das Artes em Belo Horizonte/MG/BR, “Geração 00 – a nova fotografia brasileira”; e Projeto Portfólio no Itaú Cultural em São Paulo/Brasil. Tem obras no acervo do Museu da UFPa, Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; Coleção Pirelli/MASP, Museu de Arte do Rio/MAR, Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul, Museu da Fotografia/CE, Coleção de Fotografia da Associação Brasileira de Arte Contemporânea/ABAC e AMBA – Art of Africa, Brasil and the Caribbean (PT).

Ana Carolina Fernandes

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Ana Carolina Fernandes
nasceu no Rio de Janeiro, filha de um jornalista e uma professora e desde cedo demonstrou uma paixão pela Fotografia, ganhando de sua mãe a primeira câmera, aos 13 anos. Era comum sair do colégio e ir passar a tarde no jornal do pai, ‘Tribuna da Imprensa’. Se encantava principalmente com as letrinhas de chumbo na montagem das páginas, na época feitas ainda por linotipo, e com o laboratório fotográfico que ela achava ser pura magia. Seguiu o caminho natural tornando-se uma fotojornalista aos 19 anos. Suas maiores referências eram Cartier Bresson e a agência Magnum, e no Brasil, as fotógrafas Maureen Bisiliat e Claudia Andujar que faziam longas reportagens pelos grandes sertões brasileiros e tribos indígenas. Outro olhar que encantava a jovem fotógrafa era o de José Medeiros. Acompanhava o trabalho desses fotógrafos nas revistas ‘Realidade’ e ‘O Cruzeiro’. Hoje desenvolve projetos autorais documentais contando histórias com uma visão sempre humanista mas sem abandonar o fotojornalismo.

Carmen Negrão

Protagonista dos cursos Fotografia Autoral MODII, MODIII e MODP, e do Fotografia Documental PRO
Gestora, produtora e professora de cursos livres de projetos culturais em fotografia, participou da coordenação da escola e pós graduação do Estúdio Madalena, na coordenação da área educativa e produção executiva de diversos festivais de Fotografia como Paraty em Foco, Valongo e Feira Plana. Participa da Rede Produtores Culturais Fotografia como diretora administrativa na gestão anterior e atual. Participa da sociedade da Editora Madalena especializada em fotografia.

Claudio Feijó
Daniel Kfouri

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Daniel Kfouri trabalhou 5 anos como Designer Gráfico antes de descobrir a fotografia. Como Fotógrafo-Freelancer, trabalhou 18 anos com jornais e revistas nacionais e internacionais. Passou por Editora Abril, Folha de S.Paulo, The New York Times e Nike, entre outros. Foi premiado em 2010 com o maior prêmio do fotojornalismo mundial, o World Press Photo, com a terceira colocação. Em 2011, foi o segundo colocado no Picture of the Year Latin America.
Em 2017, lançou o seu primeiro livro de fotografia HI-FI, resultado do concurso Foto em Pauta, na qual foi vencedor.
Desde 2017 migrou para o audiovisual e vem desenvolvendo filmes documentais com uma linguagem mais autoral.
Em 2019, seu curta-metragem UM ganhou dois prêmios no 14 Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro, melhor edição e melhor direção de arte.

Eustáquio Neves


Protagonista do curso Fotografia Documental PRO e do Workshop Processos Criativos
Fotógrafo e vídeo-artista autodidata nascido em Juatuba Minas Gerais, graduado em Química, em 1980. Vive atualmente em Diamantina/ MG, Brasil. A partir de 1989, pesquisa e desenvolve técnicas alternativas e multidisciplinares, manipulando negativos e cópias. Nos últimos cinco anos tem pesquisado as mídias eletrônicas incluindo a seqüência e o movimento. Entre outras linhas de interesse aborda temáticas relativas à identidade e a memória da cultura afrodescendente com trabalhos de corte social e crítico, que muitas vezes nos leva a diversos níveis de leituras. Seu trabalho vem sendo amplamente divulgado em várias mostras no Brasil e no exterior, e tem recebido prêmios e a consagração do público e da crítica.

Fernando Costa Netto

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Fernando Costa Netto
é jornalista e fotógrafo. Idealizador da Mostra SP de Fotografia, maior evento expositivo de fotografia de São Paulo, é um dos fundadores da Revista Trip e iniciou projetos editoriais como os das revistas Venice (1993), Boom (1994) e 2005 (2005). Foi editor-chefe do extinto jornal Notícias Populares, do Grupo Folha, entre 1997 e 2000 e é integrante do coletivo Polaroid SX70.
Desde junho de 2011, Fernando é sócio da DOC Galeria-Escritório de Fotografia, galeria e espaço especializado em projetos voltados a imagem, sediada na Vila Madalena em São Paulo.
Como repórter, editor, fotógrafo ou surfista, cruzou as fronteiras de Bolívia, Guatemala, México, Equador, Uruguai, Costa Rica, EUA, Havaí, Indonésia, Índia, Nepal, França, Espanha… e cobriu as guerras em El Salvador [1990] Bósnia [1993/1994], Palestina [2001].

Gal Oppido

Protagonista do Worshop Sentidos da Pele
Gal Oppido
, considerado o “Midas” da fotografia, desenvolve um trabalho plástico intenso, reconhecido internacionalmente.
Fotógrafo, arquiteto, músico e desenhista. Em 1975 formou-se arquiteto pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Em 1976, iniciou seu trabalho com fotografias relacionadas ao desenho. Entre 1979 e 1990 foi professor de linguagem visual na Universidade Católica de Campinas. Durante os anos 70 e 80, atuou como baterista no Grupo Rumo, banda integrante do movimento Vanguarda Paulista.
Realizou em 2011, entre outras, as exposições Antífona, no Museu Afro Brasil e São Paulo Mon Amour, na Maison de Mettalos, em Paris. Recebeu o prêmio Associação Paulista de Críticos de Arte, como melhor fotógrafo, pelo conjunto da obra, em 1991.
“Gal Oppido, com suas Naturezas I a IV, comprova, a quem ainda duvidar, que fotografia é uma forma de exercício do olhar. A paisagem mais trivial e destituída de interesse é excepcionalmente valorizada pelo recorte fotográfico, a ponto de se transfigurar numa aparição insólita, com clima de ficção científica. Sem cair na abstração, Oppido constrói suas imagens da forma mais inventiva, descobrindo novas maneiras de olhar uma paisagem, razão porque os seus resultados são os mais originais do conjunto.” Arlindo Machado
Machado, Arlindo. Mostra de qualidade no 1º Salão Fuji. São Paulo, 03 fev. 1985. Ilustrada, p. 61.

Guy Veloso

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO e do Workshop Do Poético ao Prático: Fotografia Documental
Guy Veloso 
nasceu (1969) e trabalha em Belém-PA. De formação acadêmica em Direito (1991), é fotógrafo desde 1989 com diversas publicações e mostras nacionais e internacionais. A convite dos curadores Agnaldo Farias e Moacir dos Anjos participou da XXIX Bienal Internacional de São Paulo/2010. Foi curador-chefe de Fotografia Contemporânea Brasileira na 29ª Bienal Europalia Arts Festival, Bruxelas-Bélgica, 2011/12. Compõe os acervos Essex Collection of Art from Latin America, Colchester-Inglaterra; Coleção Nacional de Fotografia, Centro Português de Fotografia, Porto-Portugal; Bilioteca Nacional, Rio de Janeiro; Museu da Fotografia de Curitiba; Itaú Cultural – Projeto Rumos, 1ª edição; MABE-Museu de Arte de Belém-PA; MAR-Museu de Arte do Rio; Coleção Joaquim Paiva/Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; MAM-SP e Pirelli/MASP. Seus ensaios autorais até hoje são feitos com equipamento analógico. Usa apenas lentes 35mm para, como diz, “ter que chegar ainda mais perto das pessoas”, o que em muitos casos torna-se um verdadeiro “corpo-a-corpo” durante grandes procissões e romarias. Em seu projeto mais recente, “Penitentes: dos Ritos de Sangue à Fascinação do Fim do Mundo”, iniciado em 2002 e com previsão de durar 13 anos, 151 grupos religiosos laicos de caráter secreto foram documentados nas 5 Regiões do país. Foto do Guy Veloso: Joyce Nabiça

J.R. Ripper


Protagonista do curso Fotografia Documental PRO e do Workshop Fotografia do Bem-Querer
Nascido em 1953, no Rio de Janeiro, João Roberto Ripper trabalhou como repórter-fotográfico dos jornais e agências fotográficas: Luta Democrática, Diário de Notícias, Última Hora, O Globo, Agência F4 e Imagens da Terra. Atuou como diretor na Associação dos Repórteres  Fotográficos e Cinematográficos do Rio de Janeiro, no Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro e na Federação Nacional dos Jornalistas. Foi coordenador das campanhas pela obrigatoriedade do crédito na fotografia e contratos de direito autoral e o responsável pela criação e implantação das tabelas de preços mínimos. Idealizador e coordenador do Projeto Imagens do Povo do Observatório de Favelas.
Publicou, em 2009, o livro “Imagens Humanas”, que apresenta 195 fotos, algumas inéditas, selecionadas a partir de um acervo de 150 mil imagens, que arrebatam o olhar e traduzem a realidade desse país, com a sensibilidade que legitima o trabalho do mestre Ripper. O livro apresenta ainda uma entrevista exclusiva com Ripper, que é referência no cenário da fotografia documental brasileira. Conheça o site do Imagens Humanas, banco de imagens de Ripper.

José Bassit

Protagonista dos cursos Fotografia Autoral MODII, do Fotografia Documental PRO, do Workshop Fotografia de Rua e Workshop Fotografia Documental em Campo
Nasceu em 1957, na cidade de São Paulo. É fotógrafo desde 1985 e já teve seus trabalhos publicados nos principais jornais e revistas brasileiros. Em 2003 publicou o livro “Imagens Fiéis” (Editora Cosac&Naify), sobre a religião e a fé do povo brasileiro. Suas obras integram acervos de instituições como a Pinacoteca do Estado de São Paulo e o Museu de Arte de São Paulo.

Exposições individuais

  • The London Underground, na estação Santa Cecília do Metrô, São Paulo (1985)
  • Por onde anda a fé, no Centro Cultural Fiesp, São Paulo, dentro do V mês internacional de Fotografia (2001)
  • Imagens Fiéis, no Centro de Estudos Brasileiros em Maputo, Moçambique (2003)
  • Cortes Modernos, na Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo (2004)
  • Imagens Fiéis na Galeria Zoom, Paraty/RJ (2005)
  • Rememorações, no Espaço Porto Seguro de Fotografia, São Paulo (2006)
  • Instalação Cortes Modernos, no Sesc Pompéia, São Paulo (2007)
  • Imagens Fiéis, no Museo de los Ninõs, em San José , Costa Rica (2008)
  • Imagens Fiéis- CasaVitorino, São Paulo- SP, em abril de 2017

Exposições coletivas

  • III Bienal de Fotografia de Curitiba, Paraná (2000)
  • Acts of Faiths, no Contemporary Brazilian Photograph, no Asmolean Museum, em Oxford, Inglaterra (2002)
  • Brasiliens Gesichter, no Ludwig Museum, em Kloblens, Alemanha (2005)
  • Brésil, Hèritage Africain, no Musée Dapper, em Paris, França (2005)
  • “Extremos”, na 23a Bienal Europalia Arts Festival, no Museu Bozar, em Bruxelas, Bélgica (2011)
  • Mostra Arcapress de Fotografia Documental – Galeria Zona5 em São Luiz, Maranhão, dezembro de (2013)
  • A Paisagem da Cidade – Curadoria de Cristiano Mascaro, no Sesc Santana- SP, em dezembro de (2013)
  • Exposição “Brasil”, no Edifício da rua Lobau, 4, em Paris- França, em julho de (2014)
  • Impressions Mémorielles- Musée De L’Homme, Paris- França, em maio de 2017

Coleções

  • Pirelli/ Masp
  • Pinacoteca do Estado de São Paulo
Juan Esteves

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO, e do Workshop Fotografia Contemporânea

Juan Esteves tem obras em acervos do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM); Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM); Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP);Museu de Arte de São Paulo (MASP); Musée de L’Elysée, Lausanne, Suíça; Instituto Moreira Salles (IMS); Bibliothèque nationale de France ( BnF); Espace Frans Krajcberg, Paris, França; Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pina_); Museu de Arte Brasileira (MAB-FAAP); Itaú Cultural; Museu Oscar Niemeyer (MON), Curitiba;  Fundação Iberê Camargo (FIB) Porto Alegre;  Museu de Fotografia da Cidade de Curitiba; Museu de Arte Contemporânea de Campinas (MACC); Centro de Comunicação e Artes do Senac, SP, Coleção de Arte Brasileira do SESC, São Paulo; Museu de Arte Contemporâna de Sorocaba (MACS), Coleção Art Chapel, São Paulo, Pinacoteca de São Bernardo do Campo e em outras coleções privadas e públicas.

Mostrou seu trabalho fotográfico em cerca de 200 mostras individuais e coletivas, entre as principais, no PS1 The Institute For Art and Urban Resources (MoMA) New York e Carnegie Museum of Art, Pittisburgh, ambos nos Estados Unidos;  Victoria Miro Gallery, Londres, Inglaterra; Stedelijik Museum Het Domein, Sittard e Aschembach Gallery, Amsterdam, ambas na Holanda; Stadtiches Museum in der alten Post, Mulheim an der Ruhr, Alemanha ;  International Press Book Fair, Genéve e Art Gallery, MAG 8 éme Edition. Montreux, ambas na Suíça ; Time & Style Gallery, Tokio, Japão; Point Efémére e Gallerie Dauphine, ambas em Paris, França; Galeria Livio Abramo, Embaixada Brasileira, Asunción, Paraguay; Museu de Arte de São Paulo ( MASP); Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM); Museu da Imagem e do Som de São Paulo -MIS; Galerias Lygia Clark e Hélio Oiticica/ Funarte, Rio de Janeiro; Museu de Arte Brasileira da FAAP; Itaú Cultural, São Paulo; Galeria Marta Traba/Memorial da América Latina; Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pina_); Museu da Fotografia Cidade de Curitiba; Museu Oscar Niemeyer (MON), Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, entre outras.

Foi fotógrafo e editor de fotografia da Folha de S.Paulo, onde também escreveu para os cadernos Ilustrada e Informática. Foi Editor do Portal Fotosite, o primeiro portal de fotografia brasileiro. Escreveu para as revistas Iris Foto e é colaborador das revistas Select, Santa Art Magazine, MIT, e articulista da revista Fotografe. Foi um dos curadores do Festival de Fotografia de Tiradentes e do Encontro de Coletivo Ibero Americanos (ECO) do Conselho do Paraty em Foco Festival Internacional de Fotografia e atualmente o curador geral deste festival desde 2020. É autor de 6 livros autorais e participa com imagens em textos em mais de 200 publicações, no Brasil, Espanha, Inglaterra, França, Portugal, China, Itália, Estados Unidos entre outros países.

É editor do blog www.blogdojuanesteves.tumblr.com, especializado em reviews de fotolivros e arte.

Leonil Junior

Protagonista dos cursos Fotografia Autoral MODI e Fotografia Documental PRO
Leonil Junior desenvolve trabalhos de fotografia documental. Participou da 2ª Temporada do Programa Arte na Fotografia do Canal Arte1. Anda pelo Brasil registrando as manifestações culturais que estão ligadas a fé e ao sagrado. Entre seus trabalhos, um dos mais relevantes está o “Brasil, do sagrado ao profano”, onde o fotógrafo percorreu o País de Norte a Sul, para registrar a fé e as festas profanas do povo. Registrou as diversas etnias indígenas do Brasil, entre elas os Krahô, Xavante, Yawalapití, entre outras. Também possui um grande acervo de imagens sobre os Congos e Congados, e o Círio de Nazaré em Belém do Pará-PA, além de muitas outras expressões culturais do Brasil.
Realizou diversas exposições e mostras do seu trabalho pelo Brasil e pelo mundo, sendo algumas: “Brasil, uma aldeia multiétnica” no Museu Republicano Paulista, da Universidade de São Paulo. “Rosário dos Pretos”, no Sesc, e rodou em turnê pela Europa com a exposição “Brazil, from Sacred to Profane”, passando pela Inglaterra e Bélgica.
Pelos seus registros das religiões e manifestações sacro profanas brasileiras, o fotógrafo tem sido acolhido pelas comunidades tradicionais para que possa registrar seus costumes e ajudar na salvaguarda das formas de reza e festas do povo brasileiro.

Lucas Lenci

Protagonista dos cursos Fotografia Autoral MODIII e MODP e do curso Fotografia Documental PRO
Lucas Lenci [São Paulo, 1980] Formado em Fotografia e Desenho Industrial, Lucas iniciou sua carreira profissional como fotógrafo após trabalhar como Produtor Executivo de projetos comerciais, editoriais e culturais.
Lucas morou em Nova York por um período durante o qual trabalhou como Diretor de Arte. De volta a São Paulo, abriu seu próprio estúdio e passou a trabalhar diretamente com agências e clientes.
No início de 2010, Lucas teve a ideia de abrir a FOTOSPOT, uma galeria online concebida para promover o interesse pela produção de fotógrafos brasileiros. A FOTOSPOT foi pioneira no conceito de tornar a fotografia acessível a um maior número de pessoas por meio de uma plataforma online.
Neto de Peter Scheier, conhecido fotógrafo alemão que, morando no Brasil, fotografou os grandes acontecimentos que aconteciam no país entre os anos 40 e 70. Por isso, também é Gerente geral do Instituto Peter Scheier, dedicado a preservar e divulgar a memória das obras de seu avô.
As obras de Lucas agora fazem parte de importantes coleções particulares e institucionais. Participou e foi aprovado no primeiro processo seletivo organizado pela Academia de Fotografia de São Paulo. Lucas já publicou cinco photobooks internacionalmente reconhecidos. O primeiro, que se chama Desaudio, foi exibido na Tokyo PhotoBook Show em 2015 e o segundo, denominado Movimento Estático, foi escolhido para participar da Saint Petersburg PhotoBook Show.

Prêmios

  • 2020 – COCA2020, Center of Contemporary Art – Finalist
  • 2019 – Prix Pictet Nominee with Alpha Cities
  • 2019 – International Color Awards Nominee with Still Life
  • 2018 – German Design Awards – nominee with the book Movimento Estático
  • 2018 – Hasselblad Masters – Finalist in the Art category with Movimento Estático
  • 2017 – MonovisionsPhotography Awards – Honorable Mention in the Art Category
  • 2017 – FAPA – Fine ArtPhotography Award – Honorable Mention in the Conceptual category
  • 2015 – Black and White Spider Awards – Honorable Mention in the Art Category
  • 2015 – Prix de LaPhotographie in the photobook category with Desaudio
  • 2015 – Finalist of theJabuti Award in the artbook category with Desaudio
  • 2014 – Black and WhiteSpider Awards – Honorable Mention in the Fine Art category
  • 2014 – Banco Espirito Santo Fine Art Award – Acquisition

Exposições

  • 2020 – “Still Life” – Babel Gallery, New York City, Usa
  • 2019 – “Praia” – Galeria da Gávea, Rio de Janeiro, Brazil (Collective Exhibition)
  • 2019 – “O olhar fotográfico contemporâneo – GPS, Julius Baer Group, São Paulo, Brazil
  • 2018 – “Alpha Cities – Galeria de Babel , São Paulo, Brazil
  • 2018 – “Alpha Cities – EncontrosAbiertos de las Imagenes” Festival Internacional de Buenos Aires, Argentina.
  • 2018 -“(des)equilibrio -Escritorio Rosa Barbosa de Arte, São Paulo (Collective Exhibition)
  • 2017 – “Subliminal” – Like a Gallery,Lyon, France
  • 2017 – “Rare,Vintage, and New”- Virgílio Gallery, São Paulo, Brazil Collective Exhibition)
  • 2016 – “Hominini” – Cultural Space CAP, São Paulo
  • 2016 – “In-Retrospective” – Bossa Gallery, Miami (Collective Exhibition)
  • 2015 – “Hominini” – Galeria ArteeEdições, São Paulo
  • 2015 – “Oasis” – São Paulo´s subway stations (Collective Exhibition)
  • 2015 – “O tempo e os tempos” (Time and Times) – Carbono Gallery – São Paulo (Collective Exhibition)
  • 2015 – “Justice as Lived Experience”
    – Palais des Nations, Geneva, Swizerland
    – Ministry of ForeignAffairs, Roma, Italy
    – United Nations, New York, United States
  • 2014 – “A Paisagem da Cidade” (City´sLandscape)- SESC Santana, São Paulo
  • 2014 – “Huéspedes del Presente” (Guestsof the Present) – Novíssimas Escuelas Latinoamericanas de Fotografia Creativa,Madrid, Spain
  • 2014 – Academia Paulista de Fotografia, D.O.CGallery
  • 2014 – 5ª. Mostra Paulista de Fotografia, SãoPaulo
  • 2013 – “Algum Lugar”(Somewhere) – Gávea Gallery,Rio de Janeiro
  • 2012 – “Desaudio” – individual exhibition –Fauna Gallery, São Paulo
  • 2012 – “5+5” – dConcept Gallery, São Paulo
  • 2012 – 3ª Mostra SP de Fotografia – São Paulo
  • 2011 – “Entre nós” (Between Us) – GaleriadConcept, São Paulo
  • 2011 – “Cenários Urbanos” (Urban Landscapes) –MuBE, São Paulo
  • 2010 – Launch of Fotospot – collectiveexhibition – Galeria Estação, São Paulo
  • 2009 – “Aifone_pics” – individual – GaleriadConcept, São Paulo
  • 2002 – “3 Gerações de Fotógrafos” ( ThreeGenerations of Photographers) – CAP, São Paulo
Lucille Kanzawa

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Formada tradutora-intérprete pela Unibero, em São Paulo. Morou nos Estados Unidos, Alemanha, França e Israel, e visitou cerca de 70 países. Publicou matérias (textos e fotos) nas revistas Caminhos da TERRA, Vida Simples, Horizonte Geográfico, Viagem e Turismo, ONLY Mobile Art, Top Destinos e The Traveller. Tem ainda trabalhos publicados nas revistas P&B MAG, Casa Claudia e Marie Claire.
Prêmios
Prêmio Porto Seguro de Fotografia 2005; segundo lugar no concurso “Universo Familiar”, promovido pelo Centro da Cultura Judaica; terceira colocação no concurso do Museu do Futebol no Dia Mundial da Fotografia; primeiro lugar no Prêmio SESC de Fotografia MARC FERREZ; primeiro lugar no VIII Salão Nacional de Fotografia de Araraquara – categoria P&B .
Menções honrosas 
XXIV Bienal de Arte Fotográfica Brasileira em Preto e Branco; Prêmio Pérsio Galembeck de Fotografia; 3º Concurso Fotográfico Você nos Trilhos; XVIII Bienal de Arte Fotográfica em Preto e Branco ; 7th Annual Mobile Photography Awards.
Participou de cerca de 40 exposições coletivas.
Mostras individuais
CAIXA CULTURAL DE SÃO PAULO e de BRASÍLIA; ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SÃO PAULO; PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO; GALERIA PIERRE VERGER, no “IV Festival Nacional Agosto da Fotografia”, em Salvador – BA; LIVRARIA CULTURA – Conjunto Nacional, em São Paulo; ATELIÊ CANTO DOS ARTISTAS, durante o “Pequeno Encontro da Fotografia”, em Olinda – PE; SESC Thermas – Presidente Prudente – SP.
Livro
Em maio de 2010, publicou o livro YUBA pela editora Terra Virgem.

Pablo Pinheiro

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Pablo Pinheiro
é artista visual, fotógrafo, educador e produtor cultural, formado em Comunicação Social pela Universidade Paulista (SP), onde mais tarde coordenou os cursos de Comunicação Digital e Fotografia Digital. Depois lecionou na Universidade Potiguar e a Fanec em Natal/RN, além de ser responsável pela Editora e Produtora Deu na Telha e o Círculo da Imagem, que atuam com uma identidade própria no panorama cultural e no fomento da fotografia e das artes visuais no Brasil. Desde 2012 atua como editor e colaborador em publicações voltadas a fotografia e as artes visuais. Alguns dos títulos publicados: “Aos novos Fotógrafos Brasileiros” (2012), “A Transição – do tradicional ao contemporâneo” (2013), “Anestésico #1: Minério” (2013), “Linhagem” (2014), “Caixa de Fotos #1” (2014), “Construindo novos olhares: quando a imagem fala e representa” (2015), “Rio Grandes” (2015), “Câmara Clara – Cartografia do afeto” (2016), “Semientes” (2017) e “Caixa de Fotos #2” (2018). Realizou produções e coordenações de projetos culturais, tais como: “Fragmentos de uma Tradição | Circulação e diálogo”, “A Transição – do tradicional ao contemporâneo”. Desde 2014, realiza o projeto “Construindo novos olhares”, conta com sua atuação como educador e coordenador. Em 2015, realizou o projeto “Uma tradição nos dois Rio Grandes: a imagem contemporânea do vaqueiro em transição”, contemplado pelo XIV Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia. Em 2018, coordenou o projeto “Imagens de uma guerra esquecida”, que resultou em uma exposição urbana em Natal e a primeira edição da Foto Feira RN. Em 2019, iniciou o projeto ENTES em Natal e outras cidades e ações pelo Círculo da Imagem.

Livros publicados

  • Anestésico #1: Minério (2013);
  • Caixa de Fotos #1 (2014);
  • Construindo novos olhares: quando a imagem fala e representa (2015);
  • Rio Grandes (2015);
  • Semientes (2017);
  • Caixa de Fotos #2 (2018).

Premiações

  • Prêmio Participação – III Salão Abraham Palatinik de Artes Visuais – 2009;
  • Prêmio Troféu Cultura 2012 – Melhor Exposição – Fragmentos de uma Tradição – Natal/RN – 2012;
  • Prêmio Troféu Cultura 2012 – Melhor Fotógrafo de 2011 – Natal/RN – 2012;
  • XIV Prêmio Nacional da Funarte Marc Ferrez de Fotografia – 2014;
  • Prêmio de Portfólio SOLAR – Fortaleza/CE – 2018.

Exposições individuais

  • Vivendo e Aprendendo (Natal/RN 2001, Guararema/SP, 2002);
  • Clowns de Shakespeare – Balaio Teatral (Belém/PA e Boa Vista/RR, 2007);
  • RIO GRANDES (formato digital) (2015) – Porto Alegre/RS, São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ, Campo Grande/MS, João Pessoa/PB e Natal/RN;
  • Entes (2019) – uma intervenção urbana – Festival Qxas em Quixeramobim/CE.
  • Entes (2019) – uma intervenção urbana em andamento na cidade de Natal/RN;
  • Entes (2019) – projeção no Festival Pequeno Encontro da Fotografia, Olinda/PE;
  • Entes (2019) – projeção no 15º Festival Paraty em Foco, na Tenda de Projeções, Paraty/RJ.

Principais exposições e mostras coletivas

  • Tempo Sagrado (2006) – em João Pessoa/PB, Natal/RN e Recife/PE;
  • Coletivo Potiguar (2009) – Caixa Cultural – São Paulo/SP, Brasília/DF, Rio de Janeiro/RJ;
  • Fragmentos de uma Tradição (2011) – Natal/RN, Acari/RN, Mossoró/RN e Caicó/RN; (2013) – Acompanha a peça de teatro Aboiá do Grupo Arkétipos (João Pessoa/PB, Natal/RN e Viena na Áustria) e realizou um projeto de circulação do BNB (Pedra Lavrada/PB, Picuí/PB, Nova Floresta/PB, Taipu/RN, Poço Branco/RN e São Miguel do Gostoso/RN);
  • A transição | do tradicional ao contemporâneo (2013) – participou da programação do FotoRio 2013 (agosto Rio de Janeiro/RJ e outubro – Natal/RN);
  • Feira de fotografia MCC (2017 e 2018) – Museu Câmara Cascudo da UFRN, Natal/RN;
  • Feira Cria (2017 e 2018) – João Pessoa/BP e Natal/RN;
  • Mostra Sertão Imaginário – Festival Qxas (2018) – Quixeramobim/CE e Quixada/CE;
  • Mostra na Fiart (2019), Natal/RN.

Filiado à Abrafoto. Membro da RPCFB (Rede de Produtores Culturais da Fotografia Brasileira), sendo Diretor Regional Nordeste no período de 2013 a 2015. Titular Nordeste do Colegiado Nacional Setorial de Artes Visuais no período de 2012 a 2014.

PaulaLyn Carvalho

Protagonista dos cursos Fotografia Autoral MODI e MODII, do curso Fotografia Documental PRO, dos Workshops Encadernação Artesanal I, Fotografia em Azulejos, Photoshop para Iniciantes e Lightroom e ACR para Fotógrafos
Diretora de Arte há mais de 25 anos, fotógrafa e agitadora cultural há mais de 15 anos. Lecionou por mais de 10 anos em instituições como Senac – Comunicação e Artes, Eng DTP& Multimedia, WOC etc. Palestrante na Digital Design World por 2 anos e na Adobe por alguns anos. Desenvolveu/desenvolve trabalhos para: Zoli Produções, Aeroporto Internacional de Guarulhos, Senac Comunicação e Artes, Motorola, Sony Ericsson etc., e por meio de agência: Natura, PwC, FNQ, Einstein, Itaú, Universidade São Judas etc.

Pós-graduada em Arte Integrativa (UAM), extensão em Antropologia Visual (PUC), e um MBA em Marketing (FGV) incompleto, Jornalista e Graduada em Design Gráfico. Idealizadora dos projetos SP Pixel a Pixel, Fotambulantes (projeto que participou da Mostra SP de Fotografia), VivaRua Fotografia, Arte e Cultura, entre outros.

Mais de 500 fotos publicadas em diversos livros e veículos. Participou de mais de 15 exposições coletivas, sendo 5 no exterior, 3 individuais, e foi curadora de outras exposições. Em 2009, teve um trabalho projetado no Paraty em Foco, em 2015,  pré-selecionada por convocatória, e em 2019, pré-selecionada com ensaio e com foto única. Premiada no concurso Brazil Foundation e The55Project em 2018, premiada no concurso da Secretaria do Meio Ambiente e Senac, “Árvores de São Paulo”, em 2007, “Foto do Dia” na National Geographic. e “Foto do Dia” no Metro Photo Challenge.

Ensaios: Realizado para o Catraca Livre sobre ‘Afeto e Diversidade no Carnaval de Rua’, em 2016; Ensaio ‘Indício de Não-Memória’, capa de livro do Ateliê Fotô/ Eder Chiodetto, selecionado por convocatória no Paraty em Foco 2015, e compôs uma Exposição Coletiva (Senac), com curadoria de Fernando Schmitt, em 2015. Fotos da diversidade da Mata Atlântica, selecionadas do seu acervo, ilustraram o Calendário 2008 da empresa Ypê. Por um ano, comercializou suas fotos autorais em azulejos no Armazém da Cidade, na Vila Madalena, conquistando fãs e vendendo para turistas do mundo inteiro.

Paula Geórgia Fernandes

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Cearense, graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRN em 2006, fotógrafa autodidata. É membro da Rede Brasileira de Produtores Culturais em Fotografia no Brasil. De suas participações em exposições coletivas, destacam-se as realizadas em Porto Alegre-RS: “Olhar Estrangeiro”, “Do Sul e do Norte – Olhares do Rio Grande” (2013); “Marcas que marcam”, Caracas, Venezuela (2013). Em Natal-RN, participou da Expo-Contemporânea, Uma Visão Contemporânea do RN (2012) e no Rio de Janeiro – RJ, “A transição – do Tradicional ao Contemporâneo”, FotoRio2013. Seu trabalho “Ser-tão Seridó” foi selecionado para a Mostra de Portfólios no Festival de Fotografia GuatePhoto (2012), na Guatemala. Em 2013, esteve em exposição individual na Pinacoteca do Estado do RN e no FestFotoPoa 2013/2014 – Festival de Fotografia de Porto Alegre (RS, Brasil). Em junho de 2014, inaugurou a Galeria de Fotografia do Teatro de Cultura Popular em Natal, RN e, em agosto de 2014, participou do Festival de Fotografia do Sertão, em Feira de Santana-BA.
Em 2015, realizou a exposição “Cor de Rosa Choque” sobre o tradicional desfile do Bloco das Kengas no Carnaval de Natal-RN. Em 2015, em parceria com a Caravela Selo Cultural lança o livro “Registro da Arte Circense no RN”, com fotografias sobre o Circo no Rio Grande do Norte. Em 2016, expõe em Natal-RN seu trabalho “Memórias de um PorVir”, na Galeria Alumiar, e em 2017, este trabalho é selecionado para a edição 2017 do FestFotoPOA. Em novembro de 2017, o trabalho “Sublimes Peregrinos” foi selecionado para o II Festival de Fotografia do Sertão, em Feira de Santana-BA.
Atualmente, se dedica a um trabalho autoral na fotografia, com enfoque na área documental.

Paulo Fehlauer

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO e do Workshop Foto & palavra, Escritas & Fantasmas (em breve)
Paulo Fehlauer
(Marechal Cândido Rondon – PR, 1982). Vive e trabalha em São Paulo. É fotógrafo, escritor e artista visual, mestre em estudos literários pela Universidade Federal de São Paulo, com graduação em Jornalismo pela USP e especialização em Formação de Escritores pelo Instituto Vera Cruz. É cofundador do Coletivo Garapa, com quem, desde 2008, desenvolve um reconhecido trabalho de pesquisa autoral que propõe tensionar as fronteiras entre o documentário e as artes visuais, buscando em eventos históricos e contemporâneos, na paisagem física e humana, os elementos para a construção de narrativas em um trabalho ao mesmo tempo artístico e político. Participou de exposições no Brasil e exterior, em instituições como MASP, CCSP, Casa da Imagem e IMS, e possui obras em acervos como o do Instituto Moreira Salles e MAM-SP. Tem realizado oficinas e atividades de formação em instituições do Brasil e América Latina. Como escritor, trabalha atualmente na edição do seu primeiro romance.

Raquel Cunha

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO
Raquel Cunha nasceu em São José dos Campos, interior de São Paulo (1988 ). Começou sua carreira no jornal o Vale,  da mesma cidade, durante a faculdade de jornalismo. Aos 23 anos se mudou para o México onde colaborou com as Agências Xinhua, Agence France Press (AFP), The Associated Press (AP) e Getty Images. Desenvolveu os projetos documentais: “Zeta Uno” sobre a cobertura da violência nas madrugadas da Cidade do México e “De la Memoria al Olvido”, projeto com retratos de pacientes com Alzheimer. Aos 27 anos retornou ao Brasil para trabalhar na Folha de São Paulo e iniciou colaboração para a Revista Elsevier (Holanda) e para Porsche Consulting, na America Latina.

Dentro da Folha de São Paulo se especializou em retratos produzindo cadernos especiais de Educação, Desenvolvimento Urbano e Gastronomia. Durante os anos no jornal também desenvolveu projetos junto a TV Folha atuando em vídeo e fotografia. Em 2016, mudou para o Rio de Janeiro para trabalhar como Photo Manager para o Comitê Olímpico Internacional Rio 2016, coordenando e organizando uma equipe de fotógrafos internacionais. Logo após o término dos Jogos Olímpicos ingressou como fotógrafa no Grupo Globo de Comunicação. Junto a Rede Globo participou em mais de 20 projetos, entre novelas, séries, programas e campanhas institucionais, onde desenvolvia a linguagem fotográfica de divulgação e apresentação dos produtos. Durante os anos no Rio de Janeiro continuou colaborando com o Jornal Folha de São Paulo, Revista Istoé e a Agência Reuters.

Em 2020, voltou para o México a convite da Agência Reuters para trabalhar como Editora de Fotografia e Fotojornalista.

Rosely Nakagawa

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO e do curso Edição de Projeto para Exposição ou Publicação (em breve)
Rosely Nakagawa (1954) 
é Arquiteta formada pela FAUUSP, com especialização em museologia e semiótica da comunicação, tem atuado como curadora, editora e coordenadora cultural em diversas Instituições, Museus, Galerias.
Fundou a primeira galeria de fotografia do Brasil com Thomas Farkas em 1979, a Galeria Fotoptica. Coordenou a Casa da Fotografia FUJI ( 1994/2004 ) as galerias FNAC no Brasil( 1999/2009 ), onde pode acompanhar a melhor produção da fotografia brasileira contemporanea.
Atua como curadora nos principais museus de São Paulo, Pinacoteca do Estado, MASP, MAM,MAC, MIS, e Instituições como Itau Cultural e Instituto Moreira Salles, SESC e SENAC, Videobrasil.
No Brasil, atua especialmente em Fortaleza como consultora da SECULT Ceará e Belém do Pará na Casa das Onze Janelas, MAP Museu de Arte do Pará e MAB Museu de Arte de Belém. Como curadora independente, tem realizado mostras internacionais no MOMA PS/1, Guggenheim /NY, Nagoya Meptropolitan Museum of Photography,  Fundação Calouste Gulbenkian, MUDE Museu de Design de Lisboa, entre outros.

Walter Firmo

Protagonista do curso Fotografia Documental PRO e do Workshop Universo da Cor
Walter Firmo, fotógrafo, jornalista e professor. Autodidata, inicia sua carreira como repórter fotográfico no jornal Última Hora, no Rio de Janeiro, em 1957. Em seguida, trabalha no Jornal do Brasil e integra a primeira equipe da revista Realidade, lançada em 1965. Conquista o Prêmio Esso de Reportagem, em 1963, com a matéria Cem Dias na Amazônia de Ninguém. Como correspondente da Editora Bloch, em 1967, permanece por seis meses em Nova York. A partir de 1971, atua na área de publicidade, sobretudo para a indústria fonográfica. Nessa época, conhecido por suas fotos coloridas e por retratar importantes cantores da música popular brasileira, inicia pesquisas sobre festas populares e folclore nacional. Entre 1973 e 1982, é premiado sete vezes no Concurso Internacional de Fotografia da Nikon. Fotografa para as revistas Veja e IstoÉ e, nos anos 1980, começa a expor seus trabalhos em galerias e museus. De 1986 a 1991, é diretor do Instituto Nacional de Fotografia da Fundação Nacional de Arte (Funarte). Em 1994, leciona no curso de jornalismo da Faculdade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro, e, desde então, coordena oficinas em todo o Brasil. Ganha a Bolsa de Artes do Banco Icatu, em 1998, com a qual vive durante meio ano em Paris. No fim da década de 1990, torna-se editor de fotografia da revista Caros Amigos. Entre seus livros, destacam-se Walter Firmo – Antologia Fotográfica, 1989, Paris, Parada Sobre Imagens, 2001, Rio de Janeiro Cores e Sentimentos, 2002, e Firmo, 2005. Um dos mais importantes autores a trabalhar com fotografia colorida no Brasil.